11 5087-8919

11 99977-6659

ARTIGOS de
ESPECIALISTAS
LINGUAGEM FORMAL OU COLOQUIAL NO HELP DESK / SERVICE DESK?
HÁ CONTROVÉRSIAS!
por Hetel Semer
A utilização da linguagem formal em ambientes de Help Desk / Service Desk é praticamente um padrão, tanto para os analistas que fazem atendimentos para clientes internos quanto externos.

A linguagem formal serve para mostrar profissionalismo, educação e um certo distanciamento, já que a ausência de intimidade contribui para a seriedade e objetividade que o serviço demanda.

Chamar alguém de "senhor" ou "senhora", nada tem a ver com a idade da pessoa, mostra-se respeito e as relações de respeito se manifestam por palavras de cortesia e de formalidade.

Para as equipes de analistas que atendem os clientes externos, o uso da linguagem formal é considerado normal e com o tempo, se habituaram com ela e conseguem até dar um tom natural e espontâneo ao diálogo. Esta aceitação é facilmente explicável, considerando que estes analistas se relacionam com pessoas com quem não mantêm contato, não as conhecem.

Os clientes, por sua vez, se acostumaram com o estilo do tratamento, com as saudações iniciais, que via de regra, é padronizada: - Help Desk, Fabiana, bom dia , em que posso ajudá-lo? e também com o modo padronizado de encerramento: - Posso ajudá-lo em algo mais? e por fim ainda ouvem: - O Help Desk agradece pelo contato e tenha um bom dia.

Estabeleceu-se, portanto, uma relação de fornecedor – cliente e nenhuma das partes ficam com impressão ruim, ou achando antipático ou engraçado. O que pode ocorrer, em algumas situações específicas, é a idéia de que se tem um robô por detrás da linha.

Já nos Help Desk que atuam no suporte para clientes internos, o fator linguagem causa muitas controvérsias. Todas as vezes que, em nossos treinamentos e consultorias, mostramos a importância da utilização de uma linguagem apropriada, com emprego de frases corretas, sem o uso de gírias, jargões, termos regionais e de modismo, os analistas oferecem, não diria exatamente resistência, mas argumentos factíveis de análise.

A equipe se considera parte da comunidade de colaboradores da empresa, e realmente são, e se dizem amigos dos usuários, que os vêem diariamente, que almoçam juntos e que sendo assim, o uso de uma linguagem formal se torna desconfortável e artificial para ambos os lados. Alguns dizem que sentem vergonha e constrangimento com a utilização da linguagem formal.
Em relação à padronização da saudação inicial e de encerramento, eles também consideram a prática incômoda. Como falar para o amigo: posso ajudá-lo em mais alguma questão? E o help desk agradece pelo contato.

Depois de explicarmos e mostrarmos exemplos, acabam por concordar que não é nada profissional, iniciar o contato com um “fala ai velho”, “o que tá pegando” “faz o seguinte, cara” e por fim encerrar a ligação com um “beleza?” ou então com um apenas “bele?”

Quanto à importância de conduzir o atendimento de modo objetivo, sem conversas pessoais, os analistas se mostram menos resistentes, mas alegam que é difícil interromper o fluxo da conversa com o usuário-amigo, quando este pergunta “como foi o seu final de semana”.

É consenso que é preciso se encontrar o meio termo, para garantir a imagem profissional do Help Desk sem gerar desconforto para a equipe.

Acreditamos que a saudação inicial deva continuar padronizada, sempre, independente do ambiente, já empregar um pouco de afetividade no tratamento durante o atendimento, não significa falta de profissionalismo.

As equipes podem procurar estabelecer padrões menos rígidos de formalidade, mas sem esquecer dos objetivos do Help Desk, que é atender com profissionalismo, presteza, agilidade e eficiência.

Vale, por fim lembrar, que em algumas situações pode se fazer necessário alguma iniciativa junto aos usuários para ajudar o Help Desk nestas questões, como por exemplo, a realização de workshops, informativos na Intranet , e-mail, para que todos se conscientizem que este é um serviço tem custo para a empresa e que precisa mostrar eficiência e produtividade assim como todos os demais departamentos, e que para isto é preciso contar com a colaboração de todos os usuários no sentido da correta utilização do Help Desk ou seja, realizando contatos consistentes e objetivos.

Hetel Semer atua em TI há dezoito anos. É consultora e diretora do HDO, empresa especializada em treinamentos e consultoria em Help Desk / Service Desk. Possui grande conhecimento na customização e implantação de soluções de Help Desk. Certificada pelo Exin em ITIL - IT Service Management.
NECESSITA DE MAIS INFORMAÇÕES? ENTRE EM CONTATO!

Rua Vergueiro, 2087

Vila Mariana, São Paulo - SP

04101-000

11 5087-8919

11 99977-6659